Twitter Facebook Google Plus Youtube

Southern Rock Rádio

A B C D E F G H I J K L M N O P Q R S T U V W X Y Z

The Allman Brothers Band - Biografia



The Allman Brothers Band


A história do The Allman Brothers Band é baseada em triunfos, tragédias, redenção, dissolução, e um novo renascimento das cinzas. Ao longo de 43 anos, o grupo  colecionou sucessos, prestígio no meio músical mundial e chegou ao século 21 como uma das bandas de Rock mais respeitadas de todos os tempos.

No primeiro semestre de 1970, o The Allman Brothers Band foi o grupo mais influente dos Estados Unidos, redefinindo o Rock e suas fronteiras. Mesclando o Blues, Rock, Country Music, flertes com o Gospel, Jazz, e até mesmo influências clássicas, suas longas Jams fizeram com que todo o seu sucesso como “banda ao vivo” os transformassem em mitos.

Fundado em 1969 por Duane Allman (* 20 de novembro de 1946, + 29 de outubro de 1971.) na guitarra; Gregg Allman (*08 de dezembro de 1947) nos vocais e órgão; Forrest Richard ("Dickey ") Betts (* 12 de dezembro de 1943) na guitarra; Berry Oakley (* 04 de abril de 1948, +12 de novembro, 1972) no baixo;. Claude Hudson (" Butch ") Trucks (* 11 de maio, 1947) e Jaimoe (Johnny Lee Johnson) Johanson (* 08 de julho de 1944) na bateria. Duane e Gregg Allman amavam Soul Music e Rhythm and Blues, embora fossem aficcionados pelo Rock clássico da época, principalmente de bandas oriundas da Inglaterra dos anos 60. Formaram o seu primeiro grupo, uma banda de garagem em Daytona Beach  chamada de “The Allman Joy”, tendo total influência dos “The Beatles” e “Rolling Stones”. Ainda formaram o “The Hour Glass”, partindo para Los Angeles para tentar “tirar a sorte grande”. Lançaram dois ótimos álbuns pela Liberty Records (com a ajuda do “The Nitty Gritty Dirt Band”) em 1967 e 1968. Mesmo com a ótima qualidade sonora, os dois álbuns foram considerados um fiasco. O grupo se separa após a gravadora rejeitar a proposta de um terceiro LP repleto de Blues e Rhythm and Blues.

Duane Allman começou a trabalhar como guitarrista de estúdio no Fame Studios em Muscle Shoals, AL, e foi lá, aparecendo nos álbuns de Wilson Pickett, Aretha Franklin, John Hammond, e Curtis King, entre outros, que ele fez sua reputação. Em 1969 Duane desiste e começa a montar uma nova banda com Jaimoe, Butch Trucks e outros dois amigos, Berry Oakley e Dickey Betts. Os dois últimos estavam tocando juntos num grupo chamado “Second Coming”. Com Gregg Allman já devidamente instalado no grupo,  assinam com uma nova gravadora, a Capricorn Records. Assim estava formado o The Allman Brothers Band.

Antes de gravar o seu primeiro disco, a “nova banda do pedaço” resolve definir o seu som, excurcionando bastante pela Geórgia, Flórida, Arkansas e Alabama, até estarem prontos para o seu definitivo disco de estréia, o “The Allman Brothers Band” (1969).

O álbum de estréia auto-intitulado mostrava um Blues Rock bastante sólido e no meio de discos de Cream, Blind Faith, o Jeff Beck Group, e Led Zeppelin, ele se notariava como um dos melhores trabalhos dentro do estilo para a época. Não chegou a vender 50.000 cópias em sua primeira versão, mas a banda deixou ótima impressão, desde os fãs de Rock em geral como críticos especializados. O caminho e o som estavam traçados, faltava pouco para o estrelato total. Os irmãos Allmans e sua nova banda eram americanos e do Sul, e sua compreensão do Blues (para não mencionar os elementos de Jazz, principalmente de Jaimoe) foi tão natural quanto respirar. O álbum contém uma das músicas mais populares da banda, a antológica "Whipping Post." Seu álbum de estréia atraiu boas críticas e um culto que se segue com sua mistura de guitarras duplas - cada uma detentora de um riff -  garantindo a Duane Allman e Dickey Betts o título de melhores guitarristas de seu tempo.

Seu segundo álbum, “Idlewild South” (1970), gravado na Capricorn Records, em Macon, GA, teve o grande produtor Tom Dowd como o seu condutor, fazendo do The Allman Brothers Band um “segundo Cream”, tamanho era a áurea mágica que envolvia este produtor.

Os shows da banda foram se tornando lendários, o entrosamento dos dois guitarristas com os teclados de Gregg Allman, áliados às longas Jams (40 minutos ou mais para uma única música sem perder uma nota) era épico. E, ao contrário das bandas de arte rupestre da época, eles não estavam interessados ​​em impressionar qualquer um com a forma como tocavam ou quantas afinações diferentes eles sabiam, e/ou quantos riffs clássicos que poderiam criar. Tudo era feito com a alma e paixão pela música. Os Allmans incorporavam as técnicas e estruturas de Jazz e clássicos em seu set. Em março de 1971, a banda tocou uma série de shows no Fillmore East, que foram gravadas para a eternidade e, posteriormente, transformado em seu terceiro álbum, At Fillmore East (1971).

O disco duplo, lançado em Julho de 1971, tornou-se um clássico instantâneo. Duane Allman e sua banda foram subitamente considerados os novos heróis para milhões de fãs adolescentes. Uma febre. Apesar de nunca ter alcançado o Top Ten, “At Fillmore East” foi certificado como disco de ouro em 15 de outubro de 1971.

Duane Allman morreu em um acidente de moto 14 dias depois. A banda já gravava seu proximo disco, “Eat a Peach” - que mais tarde se tornou tributo a Duane Allman - completado como um quinteto, com Dickey Betts tocando todas as partes de guitarra e slide. Foi o segundo álbum em sequência que tornara-se outro clássico instantâneo, e seu primeiro álbum a alcançar o Top Ten, atingindo o número 5 do ranking.

Após gravar “Eat a Peach”, o grupo estava intacto apenas no nome. Ao invés de tentar substituir Duane Allman como guitarrista, eles adicionaram um piano, interpretado por Chuck Leavell, que já trabalhou com The Rolling Stones, Eric Clapton, Black Crowes George Harrison, Blues Traveler,  The Marshall Tucker Band, Hank Williams Jr., entre outros. O grupo já tinha começado a trabalhar com atraso, quando Oakley foi morto em um acidente de moto, incrivelmente a poucos quarteirões do local do acidente de Duanne.

Lamar Williams (*15 de janeiro de 1949, + 25 de janeiro de 1983) foi recrutado para o baixo, e a nova formação continuou a trabalhar junta. O próximo álbum, “Brothers and Sisters” foi lançado em 01 de agosto de 1973. Durante o intervalo das gravações, os álbuns “The Allman Brothers Band” (1969) e “Idlewild” (1971) foram re-lançados numa edição especial em LP duplo, com a alcunha “Beginnings”.

“Brothers and Sisters” marcou o início de uma nova era. O álbum tinha um som mais calmo e com menos Blues. Isso se deu a saída de Tom Dowd da gravadora, onde ele havia produzido os seus três primeiros álbuns. Além disso, a emergência fez com que Dickey Betts assumisse o posto de compositor e cantor, além de ser o único guitarrista do grupo, tocando todas as suas partes de guitarra e slide, alterando o som do grupo, levando adiante seu  interesse pelo Country Rock. O disco ocupou o primeiro lugar por seis semanas, impulsionado por um grande single, "Ramblin 'Man”. O lançamento do álbum atraiu multidões aos shows e só aumentaram o interesse dos fãs. Com um som relativamente descontraído, relaxado em relação ao trabalho pioneiro do grupo nos seus quatro álbuns anteriores, “Brothers and Sisters” foi um recorde de vendas. Mas tudo isso pouco importava, com base na reputação que tinha estabelecido com os seus quatro primeiros álbuns, e da natureza para agradar a multidão de "Ramblin Man", Dickey Betts compôs todo o instrumental de “Jéssica", e o seu público passava a ser de multidões.

Toda uma gama de bandas de Southern Rock começaram a fazer incursões na esteira do The Allman Brothers Band. Gravadoras como MCA e Island Records começaram a se interessar por este público, assinando com bandas como Lynyrd Skynyrd e Blackfoot, respectivamente, entre outros. Pela primeira vez desde meados dos anos 50, o auge do Rockabilly, uma grande parte do país estava ouvindo Rock and Roll com um sotaque nitidamente sulista.

A banda começou a mostrar rachaduras em 1974, com Gregg Allman e Dickey Betts em carreira solo, gravando álbuns em separado do grupo. Gregg Allman casando com Cher, criando uma cisma com o resto da banda. Eles poderiam ter sobrevivido a tudo isso, mas drogas e o álcool sempre foram uma parte significativa na vida de cada um dos membros, exceto talvez para Jaimoe - um cidadão com uma vida sempre regrada - mais o cansaço que as turnês provocavam, juntamente com a necessidade de produzir novas músicas, tudo isso começou a sair do controle e a liderança de Betts no grupo criou uma tensão ainda maior para ele.

As dificuldades pelo que o The Allman Brothers Band estavam passando pôde ser notado no seu próximo álbum, o “Win, Lose or Draw” (1975), uma proposta totalmente diferente dos discos anteriores, sem a  intensidade e nitidez de seus trabalhos de outrora. Toda a banda não estava presente em algumas gravações, e o envolvimento de Gregg com Cher, juntamente com seus graves problemas com drogas e o álcool, impediu-o de participar com o resto do grupo - e seus vocais foram adicionados separadamente, de algum canto do país. Para muitos, esse é um disco altamente descartavel em sua discografía, mas não podemos ignorar faixas como “Just Another Love Song”e “High Falls”.

O maior golpe contra o grupo ocorreu em 1976, ano em que a banda se separou “definitivamente”. Gregg Allman se envolveu com a polícia federal norte-americana em um caso de narcotráfico, testemunhando contra John “Herring”, guarda-costas da banda. Leavell, Johanson e Williams saíram para formar o Sea Level, que se tornou uma banda de pouco sucesso, mas bem cotada entre os fãs do Rock Sulista, enquanto Betts seguiu carreira solo, com a sua fantástica banda “Dickey Betts & Great Southern. Todos eles prometeram nunca mais trabalhar com Gregg Allman novamente.



Em meio a essa separação, a Capricorn Records, querendo ter em seu catálogo qualquer coisa que pudesse gerar lucro com o nome do grupo, lançou duas coleções, uma com o LP duplo ao vivo chamado”Wipe the Windows, Check the Oil, Dollar Gas”, e um LP duplo “Best Of. A compilação foi um dos maiores fracassos de todos os tempos da música, pois a maioria dos fãs já tinha o mesmo material nos álbuns originais.


O grupo foi reformado em 1978 e lançou "Enlightened Rogues" (1979) com a produção de Tom Dowd, que resgatou um pouco a sua reputação. Ele apresentava novos membros como Dan Toler na guitarra e David Goldflies no baixo, que substituíram Leavell e Williams, ambos concentrados no Sea Level. "Crazy Love" foi o único hit e a instrumental "Pegasus" também se destaca. Ele também restaurou as duas guitarras líderes, com Dan Toler (da banda de Dickey Betts solo), que foi trazido quando Chuck Leavell (junto com Lamar Williams) se recusou a retornar ao Allman Brothers Band.

Nesse tempo, no entanto, o Allmans estavam lutando contra o tempo e as tendências musicais: Disco, Punk, Pop e o Power tinham praticamente roubado a cena múscial na época. Além disso, devido à falência da Capricorn Records no final de 1979. A partir de então a PolyGram Records, que era credor da empresa, assumiu todo o seu catálogo, e os Allman Brothers foram dispensados do contrato sem dever nada. Assinam com a Arista fazendo com que a banda continuasse a produzir material novo. No entanto, lançaram trabalhos sem ambição, bem comercial para os seus padrões e bem semelhante ao que os The Doobie Brothers andavam fazendo, deixando seu lado lírico como uma parda sombra de seus antigos sucessos, sem qualquer invenção e ousadia acerca de suas já aclamadas reputações. Jaimoe acabou sendo demitido, quebrando completamente a “cozinha” sonora do Allman Brothers. No restante da década de 1980, o grupo estava em hiato, enquanto seus remanescentes resolviam sua vida pessoal. Durante esses anos, só Dickey Betts parecia estar a disposto a fazer música.

Em 1989, a banda novamente se reuniu, em parte devido à decisão PolyGram de lançar um  Box set intitulado “Dreams”. Juntamente com o re-lançamento de todo o seu “antigo” catálogo da “Capricorn Records” , fazendo com que milhões de fãs da velha guarda se certificassem da grandeza do grupo, e introduzindoo os Irmãos Allman para milhões de jovens que ainda não tiveram a oportunidade de presenciar os velhos tempos de  Fillmore East.

Eles se reuniram e novamente as duas guitarras - cada uma detentora de um riff - deram o “ar da graça”. Warren Haynes, o gênio por trás do futuro“Gov´t Mule” (que faria sua estréia em 1994), fazia suas vezes nas seis cordas ao lado de Dickey Betts, e Allen  Woody - também do Gov´t Mule, tocando o baixo. Chuck Leavell se demite e parte para uma turnê com os “The Rolling Stones”, e Lamar Williams sucumbiu ao câncer naquele mesmo ano de 1983.

A nova formação da banda estava revigorada, assinou com a Epic Records e surpreendeu a todos com seu primeiro lançamento, “Seven Turns”. Lançado em 1990, teve críticas positivas e grandes vendas em mais de uma década. Seus álbuns de estúdio subsequentes não conseguiram atrair o mesmo entusiasmo, e os seus dois álbuns ao vivo, “An Evening With Allman Brothers Band First Set, Second Set”, lançados em 1992 e 1995, mostravam a velha forma., mas um pouco “sem sal”.

Em 1994 é lançado "Where It All Begins" e "Shades Of Two Worlds”. Em 1995, a banda foi introduzida no Rock and Roll Hall of Fame (Apenas Duane Allman, Gregg Allman, Dickey Betts, Jai Johanny “Jaimoe” Johanson, Berry Oakley e Butch Trucks).

Em 1996 eles ganharam o Grammy de Melhor Performance de Rock Instrumental para "Jessica". Quando Haynes e Woody decidiram concentrar-se em tempo integral ao Gov't Mule, em 1997, Warren foi substituído pelo guitarrista Jack Pearson, enquanto Woody foi substituído no baixo por Oteil Burbridge. Derek Trucks, sobrinho de Butch Trucks, substituiu Pearson em 1999.

Warren Haynes começou a aparecer com o Allmans novamente em 2000 e voltou por completo em 2001, mantendo também o Gov't Mule na ativa. (Warren também excursionou durante este tempo e no final da década com os antigos membros do Grateful Dead). O retorno de Haynes marcou um novo período de estabilidade e produtividade para a banda depois de quase quatro anos. Produzido por Haynes, "Hittin' the Note" foi lançado em 2003 e foi aclamado pelo pelos fãs e pela crítica.

O álbum alcançou a 37° colocação na Billboard 200 e Top Internet Albums, o single "Firing Line", ficou em 37° na Billboard Maintream Rock. Destaque para: "Desdemona", "Old Before My Time", "Who to Believe", "Heart of Stone" (maravilhoso cover dos Stones), "Instrumental Illness" e "Firing Line".
"Live At the Beacon Theatre" foi lançado em 2003 e certificado Platina em 2004. O ao vivo "One Way Out" (2004) também retrata os shows da banda no Beacon Theatre.


The Allman Brothers Band recebeu indicações ao Grammy em 2003 e 2004 na categoria de Best Rock Instrumental pelas apresentações de "Instrumental Illness" no "Hittin' The Note" e "One Way Out".


Em 2003, a revista Rolling Stone incluiu Duane Allman (2°), Warren Haynes (23°), Dickey Betts (58°) e Derek Trucks (81°) a sua lista dos 100 melhores guitarristas de todos os tempos. Nenhuma banda teve tantos membros e ex-membros citados na lista como o Allman Brothers. As canções dos Allman Brothers têm sido usadas em programas de televisão, a utilização mais conhecida é a de "Jessica", em ambos os formatos de 1977 e 2002 na série de televisão da BBC Top Gear. "Jessica", também foi usada no filme Campo dos Sonhos.


Em 20 de novembro de 2008, The Allman Brothers Band recebeu o Legend Award Of Live no Billboard Touring Awards 2008, Nova York. Em 2009, a banda comemorou seu aniversário de 40 anos no Beacon Theatre com 15 concorridas noites no local. Os shows foram dedicados a Duane Allman e atraiu inúmeros convidados especiais, incluindo Eric Clapton, Sheryl Crow, Trey Anastasio & McConnell Paige, Billy Gibbons (ZZ TOP), Bob Weir e Phil Lesh.


No dia 26 de março de 2011, foi realizado o último show do The Allman Brothers Band, na tradicional maratona de shows no Beacon Theatre. Esse show não marca apenas o fim de mais uma bem sucedida empreitada na casa de espetáculos, mas também uma marca alcançada pela banda. O show do dia 26 de março é o de número 200 da banda no Beacon Theatre, sendo um recorde.

Veja também:
Discografia - The Allman Brothers Band.